|
|
|
|
Blog
UNIVERSO/POPULAÇÃO E AMOSTRA EM PESQUISA CIENTÍFICA: noções introdutórias.
Postado em 09-10-2017
 
Textos de opinião
Encontre aqui todos os Textos de Opinião disponíveis no site.
 
Notícias
Pós-Graduação (lato sensu) EaD, gratuita na UNEB - Vários Cursos
Prezado(a) Senhor(a), De ordem da Coordenação Geral da Unidade Acadêmica de Educação a Distância (UNEAD), encaminhamos a Vossa Senhoria Edital nº 093/2017 - Aviso 153/2017, publicado no D.O.E. de 22/08/2017, referente às inscrições do Processo Seletivo para ingresso na Pós-Graduação Lato Sensu na modalidade a distância, visando o preenchimento de vagas destinadas aos cursos de Especialização em: Gestão Pública; Gestão Pública Municipal; Gestão em Saúde; Educação a Distância; Interdisciplinar em Estudos Sociais e Humanidades; e, Formação de Professores em Letras/LIBRAS, para conhecimento e ampla divulgação. Cordialmente, Geórgia Farias Técnico Universitário Lattes: http://lattes.cnpq.br/9736266595588861 site http://www.selecao.uneb.br/unebeadpos2017 Esclarecimentos acerca do conteúdo deste Edital poderão ser obtidos por meio dos seguintes contatos: Telefones: (71) 3117-5365 / 99684-6415 - E-mail: pospesqunead@uneb.br - Leia Mais

Veja outras matérias

 
O que há de interessante?
Verticalização do ensino permite a estudante de Goiás concentrar estudos sobre sua região
A verticalização nos institutos federais prevê que os estudantes tenham acesso a todas as etapas do ensino em uma mesma instituição. E foi isso o que aconteceu com Nelmício Furtado da Silva, de Rio Verde (GO). Ele passou pela experiência de fazer o curso técnico, seguido da graduação ao doutorado, no Instituto Federal Goiano (IF Goiano). Ele foi o primeiro estudante da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica de Goiás a conseguir o feito, consolidando, assim, a verticalização do ensino, conforme prevê a lei que criou os institutos. Nelmício começou os estudos no curso técnico em agropecuária no IF Goiano em 2008. E, no dia 22 de setembro, recebeu o título de doutor em agronomia no campus rio-verdense da instituição. “Fui fazer o curso técnico na instituição porque ela é renomada na minha região. E escolhi permanecer nesta universidade porque eu queria trabalhar com culturas e pesquisas relacionadas à minha região”, conta Nelmício. “Eu sou de Rio Verde também, então eu não queria ir para uma grande universidade e lá trabalhar com tecnologias e desenvolver pesquisas com coisas que eu não poderia utilizar na minha região mesmo”. Ele explica que o fato de ter começado o curso técnico e terminado o doutorado na mesma instituição possibilitou que aprofundasse e desse andamento às suas pesquisas. “Às vezes você termina a graduação e vai para outra instituição e acaba não conseguindo realmente concluir seus trabalhos”, avalia. Suas pesquisas sobre a cana-de-açúcar tiveram início na graduação e seguiram até o doutorado. Aos 29 anos, ele já teve mais de 80 artigos científicos em revistas e mais de 200 resumos em congressos. Vantagens - O reitor do IF Goiano, Vicente Pereira de Almeida, explica que a verticalização acontece com a qualificação dos professores e servidores para atuar nos diferentes níveis, tanto nos cursos técnicos como nos superiores, incluindo a pós-graduação. Na rede pública federal há 40 anos, ele explica que, além de estudar com os mesmos professores, os estudantes têm acesso a toda infraestrutura do instituto. “Como nós trabalhamos com a verticalização, boa parte dos laboratórios os alunos também usam”, disse. Foi com a verticalização do ensino que a educação superior chegou ao interior. “Até então, para que um jovem terminasse a graduação, teria que procurar as capitais. Hoje, nós estamos ofertando os cursos de mestrado e também do doutorado no interior e isso facilita muito”, ressalta. - Leia Mais

Veja outras matérias