|
|
|
|
Blog
ACERCA DO PRINCÍPIO DEMOCRÁTICO E INTERPRETAÇÃO CONSTITUCIONAL.
Postado em 04-01-2020
 
Textos de opinião
Encontre aqui todos os Textos de Opinião disponíveis no site.
 
Notícias
Olá pretendente ao ensino superior na modalidade EaD
Eis algumas informações importantes: Como funcionam aulas EaD? Quando a gente fala de faculdade e ensino superior, as primeiras coisas que vêm à cabeça são o campus, a sala de aula, as experiências no laboratório, os trabalhos em grupo… certo? Bem, tudo isso é importante para o processo de aprendizagem, mas se você está apostando em outras modalidades de ensino, pode estar se perguntando como funcionam as aulas EaD. Imagine que existe uma possibilidade onde as mesmas coisas acontecem, só de que uma forma mais prática, com liberdade de horário e sem precisar se deslocar até a instituição de ensino superior. As aulas em EaD são assim, incluem todo o necessário para seu aprendizado, só que aproveitando a tecnologia da atualidade. Como funciona o EaD? O ensino a distância está pensado para proporcionar toda a carga de conhecimentos necessária para a formação de um profissional apto a desenvolver seu trabalho, mas otimizando o aprendizado por meio de ferramentas e soluções que deixam o processo mais dinâmico. Confira quais são: AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) O AVA dá praticamente todo o suporte necessário para que as atividades acadêmicas se desenvolvam. Quando alguém se pergunta como funcionam as aulas EaD, pode estabelecer um paralelo sobre quando precisa de alguma informação e vai procurar na internet. Vídeos, textos, infográficos, tudo isso ajuda a responder perguntas, certo? Isso acontece porque já aprendemos a estudar virtualmente. Já não dissociamos tanto o que se aprende em suportes físicos do que somos capazes de encontrar na internet. O AVA organiza as informações da graduação a distância (https://ead.ucs.br/) e é onde boa parte das atividades se desenvolve. Seja em relação aos conteúdos, avaliações, módulos ou mesmo debates, há espaços virtuais organizados especificamente para este fim. Sobre as avaliações e outros recursos Sobre as avaliações em si, algumas podem ser feitas de forma virtual, também no Ambiente Virtual de Aprendizagem. Mesmo assim, o Ministério da Educação (MEC) orienta que um mínimo de 20% de toda a carga horária de um curso seja desenvolvida de forma presencial. Por isso, algumas atividades, inclusive provas, são feitas localmente. Mas como nem tudo é aula ou exame, também o AVA proporciona experiências que reproduzem o que você viveria em um curso presencial. Por exemplo, há fóruns onde os alunos podem interagir entre si, criar tópicos, conversar com os professores e ter acesso a informações que ajudem em seu processo educacional. Ainda há instituições que trabalham com tecnologias, como a realidade aumentada. Nesta, por meio do uso de um dispositivo visual como óculos, o aluno se vê imerso em um espaço virtual que simula qualquer ambiente que se deseje, seja um laboratório, um espaço urbano ou uma sala de aula. Um dado importante sobre o ensino EaD é a densidade de conteúdos. O formato permite que mais informações sejam dispostas ao aluno e a teoria é sempre disponibilizada para os estudantes antes mesmo das aulas, para que já possam participar com uma base sólida sobre o assunto que será abordado. Fonte: Revista Gestão Universitária. - Leia Mais

Veja outras matérias

 
O que há de interessante?
Neurociência: sua importância no processo ensino aprendizagem
A Neurociência é o estudo do sistema nervoso: sua estrutura, seu desenvolvimento, funcionamento, evolução, relação com o comportamento e a mente e, também, suas alterações (OLIVIER, 2013) A Neurociência é um campo relativamente novo que apresenta contribuições significativas para compreender e ampliar o entendimento sobre a complexidade da espécie humana. A partir de suas contribuições, pudemos ter uma ampliação do conhecimento de seu principal foco de estudos e pesquisas: o cérebro e sua importância no desenvolvimento de aprendizagens e comportamentos que dizem respeito ao ser humano. “A neurociência se constitui como a ciência do cérebro e a educação como ciência do ensino e da aprendizagem e ambas têm uma relação de proximidade porque o cérebro tem uma significância no processo de aprendizagem da pessoa”. (OLIVEIRA, 2014, p. 14). Um dos processos que interessa ao campo da educação é como se dá a função simbólica, sua constituição e desenvolvimento no campo da aprendizagem das linguagens. Assim, a aprendizagem da leitura e da escrita, por exemplo, apresenta relação com essa questão. Dentro desse panorama da Neurociência, o cérebro é a peça chave para entender e avançar com todos os processos de aprendizagem humana e a cultura apresenta papel fundamental nessa articulação entre o desenvolvimento humano e a aprendizagem de um modo geral. São através de redes neuronais criadas pelas sinapses entre os neurônios que possibilitam esse trabalho com o foco na aprendizagem humana. Em cada sujeito, essa rede neuronal será formatada de acordo com a história de vida de cada um. A Neurociência vem possibilitando um diálogo com vários campos de conhecimento, dentre eles, o da educação. Ambos são campos vastos e que requerem de nossa parte um profundo mergulho para então, nos debruçarmos em questões e aspectos que podem ser discutidos e analisados à luz desses conhecimentos. O cérebro se apresenta como um foco catalisador de pesquisas e estudos em busca de se perceber e analisar o potencial do seu desenvolvimento, o que contribuirá para a sustentação da espécie humana e dos seus possíveis avanços. Nesse sentido, a escola e o professor não podem se apartar dessa realidade. A Neurociência vem nos possibilitar a quebra de paradigmas, trazendo novos dilemas da atualidade. Essa atualidade vem acelerando e criando novos modelos de vida, onde a potencialidade humana pode ser inimaginável. Ao mesmo tempo, precisamos desenvolver habilidades afetivas e sociais que deem sustentação a novas aprendizagens, trabalhando com nossa memória, atenção e emoção e assim, reavaliando outras aprendizagens possíveis. Nesse contexto, a questão da diferenciação de cada ser humano, suas necessidades e características devem ser trabalhadas para que se possa garantir a sobrevivência da espécie. Portanto, a Neurociência se coloca no debate atual e central de desenvolver nossas potencialidades, buscando aprender e ensinar numa outra perspectiva. Sabendo que não existe uma única resposta mas várias perguntas a serem refletidas, a Neurociência pode ser um contributo no entendimento do ser humano e na sua relação com o conhecimento. - Leia Mais

Veja outras matérias