|
|
|
|
Blog
EMPREENDEDORISMO: uma alternativa de negócio que se renova sempre.
Postado em 18-03-2017
 
Textos de opinião
Encontre aqui todos os Textos de Opinião disponíveis no site.
 
Notícias
Fórum de Lideranças promove debate sobre os principais desafios do ensino superior brasileiro
Evento voltado para gestores de instituições de ensino e especialistas, acontece em São Paulo, dia 06 de abril. A participação é gratuita. A pesquisadora sobre ensino híbrido e doutora pela USP, Lilian Bacich, é uma das especialistas confirmadas para o Fórum de Lideranças: Desafios da Educação. Além dela, palestrarão: Katie Blot, diretora de estratégia da Blackboard, e especialista norte-americana com mais de vinte anos de experiência em educação; Fábio Reis, diretor de inovação acadêmica e redes de cooperação do SEMESP; bem como outros nomes de relevância do setor. Realizado anualmente pelo Grupo A Educação, Blackboard e SAGAH, o evento visa estimular o debate sobre o que hoje são as pautas de maior importância nas agendas dos gestores de instituições de ensino superior e especialistas deste mercado. O Fórum acontece dia 06 de abril, na ESPM, da Vila Mariana, em São Paulo. As inscrições podem ser feitas no site oficial do evento www.desafiosdaeducacao.com.br/forum-de-liderancas/. “A educação brasileira tem inúmeros desafios: as novas tecnologias e metodologias de ensino e aprendizagem exigem das instituições preparo para atender o novo perfil do estudante, mais conectado e em busca de um modelo de ensino personalizado. Nesse sentido, o Fórum de Lideranças tem sido, ano após ano, um ambiente onde os decisores se encontram para trocar experiências e se atualizar sobre tendências, soluções e caminhos para a gestão de um mercado que precisa, cada vez mais, equilibrar qualidade de ensino com sustentabilidade do negócio”, ressalta Pavlos Dias, Gerente Nacional de Operações da Blackboard no Grupo A Educação. Segundo Pavlos, a decisão de realizar um evento como este, está alinhada ao papel que tanto a Blackboard, especialista em tecnologia para a educação, quanto o Grupo A Educação, holding educacional brasileira, e SAGAH, desempenham enquanto empresas compromissadas com a qualidade da educação. E além de promover este debate para os profissionais de mercado, a Blackboard também realizará um encontro para clientes, para promover o networking, o compartilhamento de experiências sobre o uso das tecnologias a favor da educação e contar as novidades das soluções Blackboard no Brasil. O Encontro da Comunidade Blackboard acontece no mesmo local, no dia 05 de abril, na ESPM, da Vila Mariana, em São Paulo. - Leia Mais

Veja outras matérias

 
O que há de interessante?
Mudanças no processo de Renovação de Reconhecimento de Cursos
Carolina Fraga (entrevista Drª Roberta Muriel). A Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação, do Ministério da Educação, fez uma publicação em que altera alguns procedimentos para a renovação de reconhecimento dos cursos de graduação, tanto na modalidade presencial quanto à distância. A Professora Roberta Muriel, doutora em Educação e diretora da Carta Consulta, conta nesta entrevista quais foram essas mudanças e fala dos seus os impactos para as Instituições de Educação Superior (IES): 1) De uma forma geral, as alterações publicadas na Nota Técnica Nº 13/2017 foram positivas para as IES? As mudanças não foram muitas, mas as que existiram foram algumas boas, outras ruins. Como são sempre punitivas, minha tendência é sempre avaliar como não muito positivas; 2) Para quais IES estas mudanças são válidas? Para todas as IES e seus cursos; 3) Quais as alterações em relação aos protocolos de compromisso? O que mudou é que os cursos que tiveram pela primeira vez CPC menor que 3 vão passar por avaliação in locoantes de assinarem Protocolo de Compromisso. Antes desta mudança, já iam direto para assinatura de Protocolo de Compromisso e só depois ocorria a avaliação in loco; 4) O que muda para os cursos que obtiveram CPC igual ou maior que 3, mas cujas IES têm nota de IGC menor do que 3 e não passaram por avaliação desde 2007? O que muda é que estes cursos vão ter que passar por avaliação in loco, ou seja, mesmo que o curso tenha boa nota, ou seja, mesmo que seja nota máxima, 5, se a IES tem IGC 2 e não teve avaliação desde 2007, o curso passa por avaliação; 5) Essa mudança relacionando o CPC ao IGC pode impactar negativamente as IES que melhoraram a nota dos cursos nos últimos 3 anos? Por quê? Não vejo coerência nesta mudança, pois não há relação entre uma coisa e outra. Se a avaliação fosse relacionada, veria algum sentido nisso. No entanto, a IES pode ter um IGC 2 que tenha sido motivado pelo CPC de determinados cursos mas não de todos os cursos. Portanto, se um curso tem nota alta, por exemplo, é preciso avaliar qual curso contribuiu para este IGC 2 e não colocar todos os cursos no “bolo”; - Leia Mais

Veja outras matérias